Nova proposta tarifária é anunciada pela PBGás

 

Foto: Secom/PB

Foto: Secom/PB

A tarifa do gás natural deverá ser reajustada em média 1,3%, a partir de 1º de agosto, em decorrência do repasse do aumento de 2,6% no preço do mix do gás adquirido das supridoras Petrobras e Potiguar E&P.

Mesmo diante do aumento no custo gás, com uma gestão eficiente do suprimento e aproveitando uma maior disponibilidade de gás da Potiguar E&P, a PBGÁS repassará um índice menor de reajuste do gás para seus clientes e não reajustará a tarifa para o Gás Natural Veicular (GNV).

A nova estrutura tarifária foi apresentada pela PBGÁS, em audiência pública realizada nesta quarta-feira (19), com a participação de representantes da PBGÁS e da Agência de Regulação do Estado da Paraíba (ARPB).

A ARPB irá analisar a proposta tarifária e, se aprovada, será publicada no Diário Oficial do Estado (DOE).

“O fato de termos hoje três contratos de suprimento, reforça o interesse da PBGÁS de manter uma gestão intensiva do suprimento, buscando sempre a maior eficiência nas contratações com foco na competitividade do gás natural, incluindo o GNV que não será reajustado neste momento”, explicou o diretor-presidente da PBGÁS, Jailson Galvão.

O impacto na tarifa média do gás natural estado da Paraíba será de 1,3%. No segmento de gás natural veicular (GNV), em função da análise de competitividade no momento, não haverá reajuste da tarifa.

Os demais seguimentos terão um reajuste de 2,5% para o segmento industrial, 1,7% para o segmento cerâmico e mineração, 1,0% para o gás natural comprimido (GNC), 1,3% para o segmento comercial, 1,2% para o segmento residencial, 1,5% para geração distribuída e 1,6% para o segmento EBVA (Energéticos de Baixo Valor Agregado).

Apesar do reajuste, a Companhia Paraibana de Gás garante a manutenção da competitividade do produto em todos os segmentos, industrial, comercial, residencial e automotivo, frente aos demais energéticos, os quais vem registrando consecutivos aumentos ao longo do ano com o atrelamento a variação do dólar e ao barril do petróleo, principalmente os combustíveis líquidos.

PARAIBA ONLINE COM SECOM-PB

Postar um comentário

0 Comentários