Guerra afetará preço do combustível no Brasil, alerta professor

 

Professor Filipe Reis fala ao programa Hora H

O bombardeio iniciado pela Rússia em bases militares da Ucrânia, na madrugada desta quinta-feira (24) – horário brasileiro – deve afetar o mercado internacional e o Brasil não ficará imune às consequências do conflito.

Os efeitos podem chegar à economia nacional na forma de um aumento na inflação e alta nos preços do petróleo e seus derivados. Em entrevista ao Programa Hora H, da Rede Mais Rádio, o professor Filipe Reis, coordenador do curso de Relações Internacionais da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), explicou quais seriam os impactos.

“Os principais implicados são os países nas proximidades, a começar pela própria Ucrânia. Mas, com relação ao Brasil, poderíamos ter problemas com relação à importação de alguns produtos”, disse. Isso também refere-se às exportações. Em 2021, o Brasil foi o sexto maior destino das exportações russas.

De acordo com o professor Filipe, a Rússia é um dos grandes produtores de petróleo e com uma guerra o Brasil pode “ter problemas de abastecimento com o choque de ofertas no cenário internacional, empurrando os preços para cima”.

“Como hoje temos uma Petrobras que decidiu fixar o preço da gasolina no Brasil em função dos preços internacionais, correspondendo aos interesses dos acionistas privados, isso faz com que o preço da gasolina suba muito. Estamos vendo como os preços dos combustíveis subiram e isso provocou inflação no Brasil. Por tabela seríamos prejudicados também”, conclui.

A crise ainda pode ainda impactar a capacidade do Brasil de importar fertilizantes e insumos agrícolas, que estão atualmente no topo da lista de produtos importados da Rússia, e prejudicar o setor agrícola nacional. Os fertilizantes e adubos dominaram a lista de produtos importados, correspondendo por cerca de 60% (US$ 3,5 bilhões) dos US$ 5,6 bilhões totais. Com os bloqueios econômicos, a compra desses produtos se tornará consideravelmente mais difícil.

Confira a entrevista:

MaisPB

Postar um comentário

0 Comentários