Twitter apaga 10 mil perfis falsos nos EUA


A rede social Twitter apagou mais de 10 mil perfis automatizados que postavam mensagens falsamente atribuídas a membros do Partido Democrata, desencorajando os eleitores a irem às urnas nas eleições legislativas dos Estados Unidos, marcadas para o dia 6 de novembro. A medida teria sido tomada após a sigla de oposição alertar a empresa.
Em comunicado divulgado nesta sexta-feira (02/11) a empresa afirma ter removido uma série de perfis por "se envolverem em tentativas de compartilhar desinformação de maneira automatizada". A eliminação dessas contas ocorreu entre o final de setembro e o início de outubro.
"Para essas eleições, estabelecemos linhas abertas de comunicação e acessos diretos e simples para as autoridades eleitorais nos estados, o Departamento de Segurança Interna e organizações de campanha de ambos os partidos majoritários", dizia a nota. A empresa disse que os perfis aparentemente eram de fora dos Estados Unidos, mas não forneceu maiores detalhes sobre a forma como funcionavam.
Há meses o Twitter vem agindo para eliminar contas falsas e automatizadas que visam manipular o debate na rede social, em resposta às preocupações sobre uma suposta interferência russa nas eleições presidenciais americanas de 2016. Em outubro, a plataforma informou que o número de usuários foi reduzido em 9 milhões no último trimestre em razão desses esforços.
O número de 10 mil contas apagadas foi mencionado por fontes ligadas ao Partido Democrata. A quantidade é modesta em comparação com os milhões de perfis removidos durante as eleições presidenciais de 2016, os quais o Twitter considerou responsáveis pela disseminação de informações falsas.
Mesmo assim, a medida representa uma vitória para o Comitê Congressional Democrata de Campanha (DCCC), um grupo do partido que apoia os candidatos à Câmara dos Representantes.
Os esforços do DCCC surgiram como reação à incapacidade dos democratas de agir contra os milhões de perfis no Twitter e em outras redes sociais que espalharam informações negativas ou falsas sobre a candidata à presidência Hillary Clinton na campanha de 2016.
Segundo o DNC, essa colaboração resultou na descoberta de perfis e postagens falsas atribuídas a empresas de mídias sociais e autoridades de campanha.
Na próxima terça-feira, os americanos vão eleger parlamentares para todas as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes, além de 35 novos senadores de um total de 100, 36 governadores e dezenas de legislaturas estaduais, num pleito que poderá transformar o cenário político do país, com um possível avanço da oposição democrata no Congresso.
G1 

Postar um comentário

0 Comentários