domingo, 16 de abril de 2017

Transposição ‘não vai facilitar nada’ , diz agricultora sem acesso a água

 As águas da transposição do Rio São Francisco chegaram há um mês na cidade de Monteiro, no Cariri da Paraíba, levando esperança de dias melhores aos paraibanos, que há cinco anos enfrentam a seca no estado. Com a promessa de tirar as cidades da crise no abastecimento, a realidade de quem mora na zona rural é bem diferente de quem está na área urbana.
A agricultora Inácia Maria da Silva, 50 anos, não está muito animada com a chegada das águas da transposição. Ela mora no sítio Serra Branca, na zona rural de Monteiro, a cerca de 18 quilômetros do centro da cidade. Para essa região não há água
encanada.
 
Durante toda a vida ela se acostumou a ter o lar abastecido por água de poços artesianos e por carros-pipa. Segundo ela, a água da transposição está beneciando
mais os moradores da zona urbana. “Pra quem mora aqui na cidade ou nas proximidades vai mudar muita coisa. Vai facilitar muito a vida do pessoal. Pra gente
(que mora na zona rural) não vai facilitar nada”, disse ela.
 
Em tempos em que a região ainda não era tão castigada pela seca, Inácia Maria da Silva conta que fazia plantio nas terras. “A gente vive da roça. Quando tinha água, na época que tinha inverno e o açude estava cheio, a gente sempre plantava alguma coisa. Já tem uns cinco anos sem plantar. São cinco anos de seca. Hoje a gente
vive de aposentadoria”, armou a agricultora.
 
Sistema de abastecimento
A Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (Cagepa), responsável pelo abastecimento de água e tratamento de esgoto no estado na Paraíba, conrmou
que a água que chega através da transposição do Rio São Francisco vai para açudes, mas estes só levam água encanada para a área urbana.
 
“A Cagepa só atua na área urbanizada, por isso não há encanamento para algumas comunidades rurais. Nestes locais, o abastecimento é feito geralmente por poços. O que a Cagepa às vezes faz, é criar um chafariz para uso da comunidade. De fato a
água que chega da transposição não vai para algumas áreas rurais, pois não há canos. Não há sistema adutor”, explica o gerente regional da Cagepa, Ronaldo Meneses.
 
A transposição
A água da transposição do Rio São Francisco chega à cidade de Monteiro, na Paraíba, através do eixo leste. Neste trecho, a água é captada na cidade de Petrolândia, no Sertão de Pernambuco e viaja por 208 quilômetros até chegar à cidade paraibana. As águas chegaram a Monteiro, no dia 8 de março deste ano e, em menos de um mês após receber a transposição, o primeiro açude a receber
as águas já começou a sangrar.
RADIOPOSTADO PELA NAÇÃORURALISTARADIOJORNAL.COM.BR
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário