Em novo artigo, Evaldo Gonçalves fala sobre: "Respostas ao Tempo?"

É natural enfrentarmos perguntas, sobretudo, nesta época do ano novo, sendo a mais frequente, dentre outras: foste senhor do teu tempo, dando-lhe o sentido superior que ele exige? Desperdiçaste momentos preciosos negligenciando respostas oportunas aos desafios que marcaram teus dias?
 
Mais fácil é, sem dúvida, contemporizar, respondendo que fizemos o que foi possível, e que nessa relação entre nós e o tempo há imprevistos inelutáveis, quase sempre mais fortes do que prevê nossa vã filosofia. Ou então, a saída pela tangente: o homem é ele e suas circunstâncias, como dissera Ortega Y Gasset.
 
Sem negar a influência dessas evidências, o certo é que temos de prestar contas, no mínimo, à própria consciência, tribunal sempre presente, quaisquer que sejam as circunstâncias vivenciadas.
 
Sempre teremos que manter o equilíbrio entre as exigências da responsabilidade e da racionalidade, evitando-se os extremos que violentam o equilíbrio, que, segundo Aristóteles, é status só alcançado pela áurea mediocridade, decorrente da somação da genética, da ética, da lei e dos costumes.
 
Paul Sartre, por sua vez, na busca de uma explicação para os contratempos da Vida, e, á guisa de uma justificativa plausível para as dificuldades nas relações humanas, ante a diversidade de suas exigências e ambições, prolatou a sentença: o Inferno são os outros.
 
Se adotarmos essa conceituação, ninguém invocará a inocência para si, desde que somos todos os outros, gerando uma descrença na capacidade do homem de conviver bem com os seus contemporâneos, sendo o mundo um permanente Inferno.
 
Há paradigmas que, se aplicados à Vida, são valores impostergáveis capazes de justificar a nossa condição superior na sociedade, determinando uma convivência solidária e ética, em que jamais seremos lobos de nós mesmos, diferentemente do que afirmava Thomas Hobbes. 
 
Só assim poderemos nortear o nosso comportamento, respondendo certo ao Tempo, à Vida e a nós mesmos.
 
Evaldo Gonçalves é da APL e do IHGP
 

Postar um comentário

0 Comentários