Foto aérea mostra que resta pouco para açude de Boqueirão ficar totalmente seco

Uma foto área capturada pela internauta Ayslana Luana mostra o atual cenário de seca no açude Epitácio Pessoa, na cidade de Boqueirão, responsável por abastecer Campina Grande e outras 19 localidades. O volume acumulado do manancial caiu para 6,4% de capacidade.

Leia também:

* Políticos visitam obras do São Francisco na PB e estão preocupados;
* Estado faz 'primavera das águas' com obras hídricas, mas não tem plano para CG

Segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), Boqueirão pode armazenar mais de 411,6 milhões de metros cúbicos (m³), mas está com apenas 26,3 milhões de m³.

A possibilidade de esvaziamento total do açude fez com que o prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB) e o deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) visitassem a obra da transposição do São Francisco, que vai trazer água do rio para Boqueirão.

Na visita, a preocupação ficou com o prazo final da entrega da obra em Monteiro, prevista para abril de 2017, sendo que Boqueirão tem previsão de ‘zerar' em janeiro.

“Esse cronograma não é muito animador, principalmente para Campina Grande e os municípios que dependem das águas de Boqueirão. Só teremos água em Monteiro em abril e nesse período já estaremos enfrentando um sério problema na região de Campina Grande. Temos que correr contra o tempo”, afirmou o deputado.

Estado faz ‘Primavera das Águas’ em meio à crise em CG

O governo do Estado tem inaugurado uma série de obras hídricas em toda a Paraíba, no que a gestão chama de ‘primavera das águas’. Conforme divulgado até o dia 28 de setembro, foram inauguradas adutoras de Aroeiras, Natuba, Conceição, Areia, a Barragem Nova Camará e o sistema adutor Nova Camará, entre ouras obras. 

Apesar disso, Campina Grande e a região da Borborema seguem sem alternativa até que a transposição do Rio São Francisco seja concluída.

O governo do Estado, por meio da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) e da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), descartou alternativas que poderiam dar mais tempo para que Campina Grande não fique sem água.

Postar um comentário

0 Comentários