Hotéis e hospitais tentam minimizar efeitos de racionamento de água mais rigoroso em CG

Com o novo cronograma de racionamento de água para Campina Grande e Região, que começa a ser aplicado na segunda-feira (18), hospitais e hotéis precisaram fazer mudanças no esquema de armazenamento.
De acordo com o diretor do Hospital da FAP, Hélder Macedo, a unidade tem investido em sistema de captação da água da chuva. À TV Correio, ele explicou que os reservatórios do hospital garantem abastecimento por no máximo sete dias.
Leia mais Notícias no Portal Correio  de naçãoruralista.com.br
“Nossa lâmina ideal seria de 700 mil litros, que é capacidade dos nossos reservatórios. Mas nem sempre o abastecimento chega a esse volume, então temos que contar com um limite menor. A média tem sido de 400 mil litros. O consumo diário do hospital fica em torno de 70 mil litros e só a hemodiálise consome 20 mil litros por dia. Diante dessa situação, nós estamos tomando algumas medidas, especialmente junto à Cagepa, onde através de uma reunião no Ministério Público para tratar do assunto ficou definido que os hospitais serão priorizados no abastecimento”.
Outro setor que precisou correr atrás de alternativas foi o turismo. Em um hotel de Campina Grande, funcionários e clientes são orientados a economizar e toda água consumida passa por um sistema de reaproveitamento. Apesar do racionamento, o responsável pelo estabelecimento garante que a situação não prejudica o serviço prestado aos turistas.
Veja na matéria abaixo:

Postar um comentário

0 Comentários