Coca-Cola pode ter causado morte de neozelandesa


Médicos suspeitam que o excesso de Coca-Cola possa ter levado uma mulher à morte na Nova Zelândia. Natasha Harris, que bebia entre oito e dez litros por dia do refrigerante, segundo seu parceiro, morreu em fevereiro, em consequência de um ataque cardíaco.

Segundo a agência de notícias Fairfax, o patologista Dan Mornin afirmou em inquérito que ela provavelmente sofreu de hipocalemia, ou falta de potássio. O problema teria sido causado pela má nutrição e pelo consumo excessivo da Coca, e um dos sintomas é o funcionamento anormal do coração. O médico afirmou ainda que a cafeína incluída no refrigerante pode ter contribuído com a morte.

Chris Hodgkinson, que vivia com Natasha, a descreveu como “viciada em Coca”. Ele afirmou também que a mulher fumava 30 cigarros por dia e vinha tendo problemas de pressão e sentindo falta de energia nos meses que antecederam a morte.

Outros médicos ouvidos pela AP, que não participaram do inquérito, concordaram que o consumo excessivo do refrigerante pode até levar à morte em casos específicos. Eles apontaram, inclusive, que o abuso de qualquer líquido em um clima frio pode afetar o equilíbrio do corpo.

A Coca-Cola Oceania divulgou uma nota afirmando que seus produtos são seguros para consumo. “Concordamos com a informação do médico legista de que a ingestão demasiadamente excessiva de qualquer produto alimentício, inclusive a água, em um curto período de tempo com consumo inadequado de nutrientes essenciais, e a ausência de intervenção médica apropriada quando necessário podem causar sintomas muito graves”.

G1

Postar um comentário

0 Comentários